poemeto

hoje, só uns poemínimos

ao vê-la

a Bruna

minha vela

enfuna

.-.-

falácia do cio

cioso da fala

balbucio

entre o falo e a fala

.-.-.

tanta paz

tanto faz

se o canto

encanto não faz

.-.-

se ela no olho me olha, me molha

de pouco um tudo; de louco, um mudo; de rouco, um surdo;

mãos amigas se paradas sempre unidas

sob o branco de minha unha, a formiga fornica e não me acabrunha.

É definitivo: Se o amor me define, nada há que me definhe.

Chorei, chorei, até o choro me tornar rei.

.-.-

se

ando

desnudo

tudo que quero

meu amor vestido

em alguém que aquém

me veste e vista de amar além

poemínimos

moralidade

a brusca

busca

do prazer

da fala

e do falo

.-.-

punção extrema

entre o lamento

e o alento

transpiro

 

entre o vero

e o verso

suspiro

 

entre o mar

e o amar

piro

.-.-

erro de gênero

grande é o mar

mais grande é amar

.-.-

distopia

você para

espera

e se desespera

 

ninguém para ver

o naufrágio de tua quimera

 

Mais poemínimos

estimulado e estimado por uma amiga, resolvi a intriga: entregar outros poemínimos. ei-los:

poematéria

o que é que o Mestre via:
a Mater ou a Matéria
quando olhava pra Maria?
=.=
meio sem jeito
bem te ajeito no meio do peito
e todo me ajeito
;-.-
a solução nem sempre está no soluço
às vezes ouço o sol
às vezes o recurso é fazer um curso de urso
=.=
todo mundo tem do mundo a vista que o mundo alcança
.-.-
o vencedor
primeiro
vence a dor
.-
Limpo da cabeça aos pés
dá cabeça aos pés
O vate vaticina: poeta – profeta
.-.-
caminhar com a amada
caminhada amada
mais nada
.-.-
falo fala
sua boquinha cabe
no abraço dos meus beijos
-.-
solidão

sob o céu de prata
na rua, fitando a lua
uiva o vira-lata
.-.-
solidão

eu na minha
você na sua
entre nós
o buraco da lua
.-.-.-
your word´s a sword
.-.-
METAPOEMA

pro poeta
toda palavra é meta
é rito
é porta aberta pro infinito…
.-.-
METAFÍSICA

voltando de onde não fui
fico no mesmo lugar a que parti
.-.
em poesia
sede breve
poetar com água poetável
só se mata de leve
.-.-
a brancura
poeta
não polua
aspire-lhe o pó
e deixe só lua
;=;=
por hoje é sol

Poemínimos

hoje resolvi oferecer uns poemínimos à degustação de quem os possa apreciar

ELOQUÊNCIA

no meu canto
tanto falo
quanto calo
porencanto

AMBIQUALDADE

somos tão ambos
cada qual
que estamos mais pra
ambigualdade

HAICAI

doente e a esmo
bate o coração do vate
mas bate assim mesmo

AUSÊNCIA

na cadeira vazia
o balanço de ontem

DRUMMONDEANDO

no meio do caminho
pedra eterniza
caminhada que não houve

DILERRIMA

expludo
ou fico mudo
quando me desiludo
de tudo?