SOLDADANIA

s

Com a eleição do capitão Jair Bolsonaro a cidadania talvez assuma foros de soldadania. O neologismo que aqui propomos não deixa de ter lá algo de tendencioso, desde que a fusão de cidadania com soldado guarda lá uma tensão de significados, se entendermos que cidadania é expressão da democracia e a função do militar é, em última instância, pela preservação da soberania nacional, assegurar a relação de poder entre o Poder e a Cidadania.

Por oportuno, Houaiss registra, no verbete cidadania: condição de pessoa que, como membro de um Estado, se acha no gozo de direitos que lhe permitem participar da vida política.

Como se vê, o dicionarista atrela a esse termo, implicitamente, a noção de democracia, que, ainda segundo ele, significa: 1 governo em que o povo exerce a soberania; 2 sistema político em que os cidadãos elegem os seus dirigentes por meio de eleições periódicas;

E o problema está, como se pode depreender, na terceira acepção de cidadania, assim consignada por Houaiss: 3 regime em que há liberdade de associação e de expressão e no qual não existem distinções ou privilégios de classe hereditários ou arbitrários. Esta acepção contrasta com a expressão alhures cunhada que, ironizando, menciona “cidadão de segunda classe”, a ideia de que “uns são mais iguais que outros”, o descompasso que existe entre lei e justiça, e assim por diante.

Mensagens e rotulagens, ideologias, fraseologias e outras logias, Bakhtin já demonstrou que a palavra é ideológica. Assim, designar alguém de herói ou vilão não é muito mais que uma questão de enfoque ideológico, a nos lembrarmos de que, à guisa de exemplo, etimologicamente, cidadão significava o morador da cidade, e vilão, o morador da vila, havendo, ainda, quem relacione o substantivo vilão ao adjetivo velhaco.

Finalizemos com Pessoa, reverbado e reverberado por Veloso: minha pátria é minha língua. Esteja dito.